CS:GO | FURIA derrota a INTZ e se garante para as finais da ECS Season 7

Os brasileiros da FURIA Esports se classificaram para as finais da Esports Championship Series (ECS) Season 7 –  North America de Counter-Strike. O time derrotou os intrépidos da INTZ eSports por 2 x 1 na noite deste domingo (28).

A vitória da FURIA fez o time além de garantir a vaga para as finais da ECS, conquistar um prêmio $12.000 ou 47 mil reais, convertido de forma direta. As finais acontecerão na Arena Wembley, próximo ao Estádio Wembley que abrigou o lendário Live AID antes da reforma. Dentre os times já classificados para as finais estão a Astralis, North e Team Vitality – Europa; compLexity Gaming, NRG Esports e Fura –  America do Norte. A competição contará com 8 participantes e uma premiação de $500.000 ou aproximadamente 2 milhões de reais. Confira abaixo um resumão das partidas desde domingo (28).

INFERNO – No primeiro mapa da Série, apesar da INTZ começar ganhando, a FURIA virou para 11 x 4. O time fechou o jogo dizimando os intrépidos por 16 x 4.

INFERNO | Divulgação: Youtube/FACEIT

TRAIN – Uma partida extremamente equilibrada que fechou a primeira metade com vantagem para a FURIA por 8 x 7. Consequentemente a INTZ conseguiu virar toda a situação vencendo os Panteras por 16 x 12.

TRAIN | Divulgação: Youtube/FACEIT

MIRAGE – O acirramento neste mapa iniciou com o domínio da FURIA emplacando 6 x 1 em cima da INTZ. Os intrépidos conseguiram virar diminuindo a vantagem dos Panteras, porem não deu outra e a vitória foi da FURIA por 19 x 15.

MIRAGE | Divulgação: Youtube/FACEIT

A final da sétima temporada da Esports Championship Series Counter-Strike Global Offensive acontecera dos dias 6 a 9 de Junho em Londres, Inglaterra.

Fazem parte da FURIA, os jogadores:

Yuri “yuurih” Santos
Andrei “arT” Piovezan
Vinicius“VINI”Figueiredo
Kaike “KSCERATO” Cerato
Rinaldo “ableJ” Moda Junior
Nicholas “guerri” Nogueira (COACH)

 

“O público brasileiro é o que mais impressiona”, afirma BiDa

Após três dias de DreamHack Rio, tivemos o privilégio de entrevistar um dos maiores nomes da narração brasileira nos e-sports. Estamos falando de Bernardo “BiDa” Moura, do cenário de CS:GO. Conversamos a respeito de diversos assuntos relacionados ao cenário brasileiro, a evolução das equipes brasileiras e o cenário universitário.

Leia também: Como foi a DreamHack Rio 2019

Confira como foi nossa entrevista:

O que você está achando da rotatividade de torneios aqui no Brasil, será que estamos entrando firme no mapa dos torneios internacionais?

BiDa: Desde 2016 tivemos o primeiro evento, e o público brasileiro é o que mais impressiona. Acho que torcida é o que encanta bastante nos torneios. Por mais que seja fora do eixo europa, o Brasil entrou dentro do mapa dos torneios internacionais porque cativa bastante, o pessoal é bem recebido, a culinária é boa, atrações excelentes, o pessoal se encanta por aqui.

Apostando no crescimento das equipes, como você qualifica o desenvolvimento de dentro do país como a W7M, Redemption, como você enxerga o cenário brasileiro?

BiDa: Ta cada vez mais equilibrado, o nível de jogo é altíssimo. Mas o ritmo é bem diferente em comparação aos times de fora. As equipes brasileiras tem aquela rotina mais noturna de treinos, mas os investimentos e a chegada de mais organizações, os jogadores se tornam mais profissionais e pode facilitar nisso. Os principais jogadores que saem daqui acabam se tornando melhores quando adotam melhores rotinas de treino e isso tem ajudado cada vez mais no crescimento do cenário brasileiro.

Recentemente você esteve narrando a Brasil College League, torneio da BBL e-sports, onde reune diversas equipes universitárias do Brasil. Você acredita que fomentar esse cenário pode trazer novos talentos para os mais variados jogos?

BiDa: Com certeza. Eu acho que, a longo prazo, pode trazer novos jogadores e mais atenção para os e-sports. Nos Estados Unidos, existem bolsas de estudos para quem pratica e-sports, e esperamos que no Brasil, isso comece a ser uma realidade e começar a desenvolver desde cedo e que pelos próximos anos tenhamos inúmeros “coldzeras” pelo mundo.

Você acha que teremos novas equipes como a SK Gaming, MiBR que elevarão o país ao topo do CS:GO?

BiDa: Com certeza é possível, porém é muito difícil. Apenas uma equipe domina por etapas. Em muitos anos de CS, poucas dominaram. SK, Astralis, Fnatic. São poucas equipes que dominam o cenário, e sempre fomos celeiros para o cenário, exportamos diversos jogadores. Se mais pessoas estiverem engajadas em se tornar jogadores, fazer parte disso, acho que podemos chegar ao topo do cenário.

Confira o áudio na íntegra:

Bernardo Moura, conhecido como BiDa, é bastante consagrado dentro do cenário brasileiro de esportes eletrônicos. Natural de Florianópolis, BiDa começou na narração do CS:GO, ao lado de Savage. Além disso, fez diversas transmissões em torneios da Gamers Academy, parte da plataforma GamersClub. Nesse meio tempo, BiDa também esteve em grandes torneios internacionais no país, como a ESL One Belo Horizonte em 2018. Posteriormente, esteve ao lado de gORDOx” na Blast Pro Series 2019, que acontecem em Março, na cidade de São Paulo. Embora suas atenções sejam voltadas para o CS:GO, BiDa também comenta partidas de PUBG.

Confira como foi a DreamHack Rio 2019

DreamHack Open CSGO

Aconteceu neste final de semana, a DreamHack Rio. Primeira vez na América Latina, teve como sede o Parque Olímpico da Barra, no Rio de Janeiro. Nós do Mestre da HQ estivemos lá e trazemos para você tudo o que rolou nesses três dias de disputas.

Leia também: DreamHack Rio | Organização do evento oferece ingressos extra como compensação

Primeiro dia – Atrasos e problemas técnicos

Como parte as atrações da DreamHack, tivemos o showmatch entre os finalistas da primeira etapa do CBLoL 2019; INTZ, que saiu vencedora do confronto no último sábado, 13, enfrentou o Flamengo, em busca de uma revanche. A partida começou às 10:00, no entanto, o evento teve diversos atrasos no que diz respeito a entrada do público. Foram mais de 1 hora de espera para a abertura dos portões e ainda sim o jogo estava para começar. Sobre o showmatch, a equipe rubro negra venceu o primeiro confronto contra os intrépidos, com destaque para Robo e a sua Vayne na rota do topo. Mas, na sequência, a INTZ começou a gostar do jogo e venceu as duas outras partidas, vencendo a série, realizada em formato melhor de três.

Flamengo e INTZ no primeiro dia de DreamHack. Foto: Wesley Pereira

Em seguida, tivemos o início dos embates pela DreamHack Open.. Na abertura do campeonato, tivemos o confronto entre AVANGAR e eUnited. A equipe do Cazaquistão venceu o duelo após três overtime em sequência, por 25 a 23 na Inferno. Logo depois, tivemos a Valiance vencendo a W7M por 16 a 13 na Mirage. No terceiro jogo do dia, tivemos a estréia da FURIA contra a INTZ, e venceram por 16 a 11, na Mirage. Finalizando o dia, A Sharks venceu a Redemption por 16 a 9 na Train. Nesse mesmo dia, tivemos a AVANGAR e a Sharks classificadas direto para as semifinais, ambas terminando 2-0. As partidas foram todas em formato melhor de um.

DreamHack Open CSGO
INTZ e FURIA na DreamHack Rio. Foto: Mário Sérgio Silva de Brito

Segundo dia – Partidas rápidas e revanche

Tivemos a segunda parte da fase de grupos da DreamHack Open, agora com partidas em formato melhor de três. Na abertura do dia tivemos INTZ contra eUnited. Os intrépidos venceram o confronto por 2 a 0. Na sequência, tivemos W7M contra Redemption. A W7M venceu o confronto por 2 a 0, destaque para o primeiro mapa, onde a equipe foi dominante fazendo um 16 a 0. Logo depois, tivemos o embate entre INTZ e FURIA pelo decider match. Os intrépidos não foram páreos para a equipe de KSCERATO, que venceu por 2 a 0 e garantiu sua vaga nas semifinais. Em seguida, a W7M enfrentou a Valiance, pela última vaga na semi e foram derrotados por 2 a 0, dando adeus ao torneio.

Terceiro dia – Emoção até o fim – Parte 1

Na abertura das disputas, tivemos a FURIA enfrentando a Sharks, por uma vaga na grande final. Na primeira rotação, os pumas começaram bem a rodada, conseguindo de duas a três rodadas seguidas no lado terrorista, fechando 9 a 6. Na troca de lado, o confronto saiu empatado entre 7 a 7, mas com o match point na mão, a FURIA venceu o primeiro mapa, Inferno, por 16 a 13. Novidade no cenário, o mapa Vertigo estreou pela primeira vez nesta DreamHack. A FURIA começou emplacando uma série de 9 rodadas seguidas para cima da Sharks. Após a troca de lado, o domínio da equipe continuou e venceram o mapa por 16 a 4, se garantindo na grande final.

Na sequência, tivemos AVANGAR e Valiance pela segunda parte da semifinal. No primeiro mapa, Train, os europeus tinham uma boa vantagem para cima a AVANGAR. Mas, a equipe do Cazaquistão surpreendeu a equipe alemã e venceu de virada, por 16 a 12. No mapa seguinte, Inferno, a Valiance teve grande domínio na primeira rotação. Mas, logo em seguinte, a AVANGAR quase arrancou a vitória, no que poderia ter sido uma das maiores viradas do campeonato. Porém, já com o match point em mãos, restou para a Valiance garatir seu mapa e levar para o terceiro e decisivo jogo. Já na Dust2, novamente um duelo bem acirrado para os dois lados, com uma boa vantagem para a AVANGAR. Após a troca de lados, a Valiance conseguiu emplacar cinco rodadas consecutivas. Mas, pouco adiantou, já que a AVANGAR tinha boa vantagem após a inversão de lados e garantiu-se na grande final.

Terceiro dia – Virada histórica – Parte 2

No primeiro mapa da final, a FURIA começou na Vertigo, e conseguiu ser bem dominante para cima da equipe do Cazaquistão, vencendo por 16 a 2. Já no segundo mapa, Inferno, a AVANGAR venceu por 16 a 6 e levou a decisão para o último mapa. Finalizando a série, na Train, Os brasileiros começaram bem dominantes na rodada, vencendo de 10 a 5. Mas a equipe brasileira sofreu grandes apagões e viu a AVANGAR tomar conta da partida. No entanto, a partida foi para o tempo extra após empatar em 15 a 15. Após um 4 a 1 no overtime, a AVANGAR se sagrou campeã da DreamHack Open 2019 e faturou US$50.000 dólares.

Agradecimentos ao Rhodrigo Ribeiro, da Geek Cong pelo equipamento fotográfico no primeiro dia de evento.

CS:GO | Revelados os grupos da Dream Hack Open Rio

A Dream Hack Open Rio 2019 promete! E uma das atrações mais esperadas é o torneio de Counter-Strike Global Offensive. Serão dois grupos com quatro times cada, jogando em formato de MD1 em busca de duas vagas nas semi-finais. Se tem CS:GO, tem torcida brasileira, ainda mais no nosso território, a tradicional Furia disputa o título, assim como a INTZ (que herdaram a vaga após a desistência da Luminosity), a W7M Gaming e a galera do Shark Esports Team. Confira abaixo os grupos:

foto: Twitter @dreamhackbr

Já no primeiro dia, teremos confronto brasileiro! A Furia enfrenta a INTZ em um jogo eletrizante que promete pegar fogo. Confira abaixo os horários das demais partidas, contando semi-finais e finais:

foto: Site oficial da Dream Hack

 

Nós do Mestre da HQ, iremos cobrir esse evento em primeira mão trazendo conteúdos exclusivos para vocês! A Dream Hack Rio acontecerá nos dias 19, 20 e 21 de abril e os ingressos ainda estão a venda.