“O público brasileiro é o que mais impressiona”, afirma BiDa

Narrador com grande destaque e influência nas transmissões de CS:GO no Brasil, BiDa nos concedeu uma entrevista falando sobre o Brasil no radar dos eventos internacionais da categoria, a evolução das equipes brasileiras no cenário e os esportes universitários.

Share on facebook
Compartilhe no Facebook
Share on twitter
Tuitar isso
Share on whatsapp
Enviar no Whatsapp

Após três dias de DreamHack Rio, tivemos o privilégio de entrevistar um dos maiores nomes da narração brasileira nos e-sports. Estamos falando de Bernardo “BiDa” Moura, do cenário de CS:GO. Conversamos a respeito de diversos assuntos relacionados ao cenário brasileiro, a evolução das equipes brasileiras e o cenário universitário.

Leia também: Como foi a DreamHack Rio 2019

Confira como foi nossa entrevista:

O que você está achando da rotatividade de torneios aqui no Brasil, será que estamos entrando firme no mapa dos torneios internacionais?

BiDa: Desde 2016 tivemos o primeiro evento, e o público brasileiro é o que mais impressiona. Acho que torcida é o que encanta bastante nos torneios. Por mais que seja fora do eixo europa, o Brasil entrou dentro do mapa dos torneios internacionais porque cativa bastante, o pessoal é bem recebido, a culinária é boa, atrações excelentes, o pessoal se encanta por aqui.

Apostando no crescimento das equipes, como você qualifica o desenvolvimento de dentro do país como a W7M, Redemption, como você enxerga o cenário brasileiro?

BiDa: Ta cada vez mais equilibrado, o nível de jogo é altíssimo. Mas o ritmo é bem diferente em comparação aos times de fora. As equipes brasileiras tem aquela rotina mais noturna de treinos, mas os investimentos e a chegada de mais organizações, os jogadores se tornam mais profissionais e pode facilitar nisso. Os principais jogadores que saem daqui acabam se tornando melhores quando adotam melhores rotinas de treino e isso tem ajudado cada vez mais no crescimento do cenário brasileiro.

Recentemente você esteve narrando a Brasil College League, torneio da BBL e-sports, onde reune diversas equipes universitárias do Brasil. Você acredita que fomentar esse cenário pode trazer novos talentos para os mais variados jogos?

BiDa: Com certeza. Eu acho que, a longo prazo, pode trazer novos jogadores e mais atenção para os e-sports. Nos Estados Unidos, existem bolsas de estudos para quem pratica e-sports, e esperamos que no Brasil, isso comece a ser uma realidade e começar a desenvolver desde cedo e que pelos próximos anos tenhamos inúmeros “coldzeras” pelo mundo.

Você acha que teremos novas equipes como a SK Gaming, MiBR que elevarão o país ao topo do CS:GO?

BiDa: Com certeza é possível, porém é muito difícil. Apenas uma equipe domina por etapas. Em muitos anos de CS, poucas dominaram. SK, Astralis, Fnatic. São poucas equipes que dominam o cenário, e sempre fomos celeiros para o cenário, exportamos diversos jogadores. Se mais pessoas estiverem engajadas em se tornar jogadores, fazer parte disso, acho que podemos chegar ao topo do cenário.

Confira o áudio na íntegra:

Bernardo Moura, conhecido como BiDa, é bastante consagrado dentro do cenário brasileiro de esportes eletrônicos. Natural de Florianópolis, BiDa começou na narração do CS:GO, ao lado de Savage. Além disso, fez diversas transmissões em torneios da Gamers Academy, parte da plataforma GamersClub. Nesse meio tempo, BiDa também esteve em grandes torneios internacionais no país, como a ESL One Belo Horizonte em 2018. Posteriormente, esteve ao lado de gORDOx” na Blast Pro Series 2019, que acontecem em Março, na cidade de São Paulo. Embora suas atenções sejam voltadas para o CS:GO, BiDa também comenta partidas de PUBG.

Versão "Rise" 5.0.1 beta - Crafted with ❤ by @mattzbarbosa
© 2018. O Mestre da HQ - O seu portal de conteúdo Geek