Astralis vence Blast Pro Series São Paulo

Amostra de como foi a campanha do melhor time do mundo atualmente. Em mais uma versão da Blast Pro Series, a Astralis voa e comprova favoritismo.

Share on facebook
Compartilhe no Facebook
Share on twitter
Tuitar isso
Share on whatsapp
Enviar no Whatsapp

Apenas, Astralis …

A Blast Pro Series São Paulo aconteceu nesse sábado (23) e tivemos um resultado quase “esperado”, o quinteto Dinamarquês ainda está voando sobre títulos.

A torcida estava enorme, a expectativa mais ainda, mas como a maioria dos fans de Counter Strike sabem, a equipe do Astralis vem criando uma hegemonia no cenário internacional e está se consolidando cada vez mais como o maior time de todos os tempos. Após ganharem 10 títulos em 2018 nos parece que neste ano ainda pode vir mais, isso porque o time já colocou na conta 1 Major (Katowice) e 1 Blast Pro Series (São Paulo), fazendo uma prateleira de troféus cada vez mais completa. Onde esperava-se uma superação do time da casa, o time conseguiu frustrar todos os torcedores presentes trazendo uma atuação de gala.

Para quem acompanhou o torneio desde o começo, já estava notado o favoritismo da equipe. O elenco composto por Dupreeh, Dev1ce, Xyp9x, Gla1ve e Magisk estava jogando com muita liberdade e dominando completamente qualquer situação de jogo apresentada durante os 2 dias de torneio. Apelidados como “Robos”, a equipe mais uma vez fez jus a sua posição atual no ranking de melhores times do mundo. Mais uma vez o time conseguiu se manter sólido e capaz o suficiente para reverter situações adversas durante a campanha nessa Blast Pro Series em São Paulo.

O time durante a campanha teve jogos apertados, que mesmo saindo atrás, foi buscar o jogo com autoridade. Com uma campanha quase perfeita, a Astralis coloca mais uma Blast Pro Series na prateleira e sonha com um ano melhor que o anterior.

Oportunismo

O time também teve a oportunidade de vingar o episódio de 2017, quando a SK Gaming venceu o time da casa plena na Final da Blast Pro Series Copenhagen. Só que de forma diferente comparado a 2017, os dinamarqueses eliminaram qualquer chance da MIBR ir para grande final, vencendo o jogo na Overpass por 16×10.

A Grande Final

Na grande final confrontaram a Team Liquid , cujo fez um excelente torneio também. Por muitos instantes, a organização americana mostrou-se muito solida e cautelosa, não se expondo em nenhum momento de vantagem própria e aproveitando ao máximo os erros da Astralis. Até o momento estava parecendo que pintaria um resultado diferente, já que no primeiro mapa, ganharam com propriedade na Dust II por 16×13.

Para dizer a verdade, a felicidade dos americanos não durou muito. Sabiam que a opção por vetar Nuke ao invés de Inferno era um risco a ser corrido, sabendo-se que é o mapa com maior aproveitamento da Astralis. Como esperado, o time dinamarquês chegou a fazer 10×0 no lado Terrorista e finalizou o mapa com o placar de 16×8.

No último mapa, Overpass, parecia que a Liquid já estava desanimada, para todas ações que a Astralis tomava a resposta era fraca e ao mesmo tempo quase inexistente. Não demorou-se para fecharem o jogo, já que na primeira metade do lado Contra-Terrorista, o placar foi de 13×2. E logo depois o jogo foi fechado em 16×2.

 

Versão "Rise" 5.0.1 beta - Crafted with ❤ by @mattzbarbosa
© 2018. O Mestre da HQ - O seu portal de conteúdo Geek