Stranger Things | Liberado trailer da terceira temporada

A Netflix publicou o primeiro trailer para a nova e terceira temporada de Stranger Things. Embora pareça inicialmente que os residentes de Hawkins, em Indiana, estejam tendo um verão absolutamente normal, rapidamente fica claro que nem tudo é o que parece.

O vídeo tem trilha sonora de altíssima qualidade, com The Who (“Baba O’Riley”) e Mötley Crüe (“Home Sweet Home”).

Vale a pena conferir abaixo!

Stranger Things 3 | Trailer Oficial

Depois desse verão, Hawkins nunca mais será a mesma.#StrangerThings3

Posted by Stranger Things on Wednesday, March 20, 2019

 

A série chega exclusivamente à Netflix em 4 de julho.

 

Disney-Fox | Leia na íntegra o comunicado oficial de imprensa

Seguindo o fim do processo de adesão da Fox ao patrimônio da Disney, foi publicado ontem um comunicado de imprensa oficial, no próprio site da Walt Disney Company.

O Press Release citado se destinou a divulgar em mais detalhes o acontecimento Disney-Fox, de interesse mundial e público, dando boa dimensão do tamanho do conglomerado que se forma e aumentando ainda mais a expectativa principalmente de todos nós, fãs de cultura nerd e interessados nos veículos Marvel outrora que há tantos anos são propriedades da Fox (como os X-Men e o Quarteto Fantástico, além de Deadpool).

A compra foi exercida pelo valor de 71 bilhões de dólares. Esse valor é, para que se tenha uma vaga noção do absurdo, mais do que o Lucro Antes de Juros e Imposto de Renda (LAJIR) que uma gigante como a Apple, por exemplo, teve em todo o ano de 2018 — de cerca de 70,9 bilhões de dólares.

Segue a declaração oficial, traduzida livremente:

[Às 13h02 do horário de Brasília] do dia 20 de março de 2019, a aquisição por parte da Walt Disney Company da 21st Century Fox se tornará efetiva. Com a icônica coleção de negócios e franquias da Fox, a Disney poderá prover um conteúdo mais atraente de alta qualidade e opções de entretenimento que vão ao encontro da demanda do consumidor; aumenta sua presença internacional; e além disso, expande suas ofertas diretas para o cliente final, que incluem a ESPN+ para fãs de esporte, o serviço altamente esperado de streaming de vídeo sob demanda Disney+, que chega [nos EUA] no fim de 2019; e também a participação social combinada de Disney e Fox no serviço Hulu.

Diz Robert A. [Bob] Iger, presidente e CEO da Walt Disney Company:

‘Este é um momento extraordinário e histórico para nós — um momento que que criará valor significativo de longo prazo para a nossa companhia e acionistas. Combinar o patrimônio de conteúdo criativo e talento comprovado da Disney e da Fox cria a companhia líder global de entretenimento, bem posicionada para liderar em uma era incrivelmente dinâmica e transformadora.’

A aquisição inclui os negócios de produção cinematográfica renomados da Fox, incluindo a Twentieth Century Fox, Fox Searchlight Pictures, Fox 2000 Pictures, Fox Family e a Fox Animation; as unidades criativas para televisão da Fox, Twentieth Century Fox Television, FX Productions e Fox21; Redes FX; Parceiros da National Geographic; Fox Networks Group Internacional; Star India; e também os interesses da Fox no Hulu, Tata Sky e no Endemol Shine Group. A Disney e a 21st Century Fox entraram num acordo com o Departamento de Justiça dos Estados Unidos no ano passado, sob o qual a Disney alienará as redes regionais esportivas da 21st Century Fox.

Mais cedo [ontem], a 21st Century Fox completou o desdobramento de um portfólio dos negócios de notícias, esportes e transmissões — incluindo o canal FOX News, FOX Business Network, FOX Broadcasting Company, FOX Sports, FOX Television Stations Group, e a rede de canais esportivos FS1, FS2, a Fox Deportes e a Big Ten Network — e certos outros recursos e passivos, para dentro da Fox Corporation.

Agora é respirar fundo e aguardar ansiosamente por mais notícias vindas da equipe de Kevin Feige e seus associados. Essa compra promete!

Fique ligado em O Mestre da HQ para mais detalhes!

Fonte: Walt Disney Company

Disney-Fox | Fusão entre as gigantes é finalmente anunciada

Embora tenha sido inicialmente divulgado que o acordo entre a Disney e a Fox estaria resolvido no fim de 2018, recentemente descobrimos que tudo estaria finalizado em meados de março. E agora, finalmente a 21st Century Fox anunciou a distribuição de todas as ações emitidas e em circulação, em conexão com a aquisição por parte da Disney.

A aquisição da Disney será efetivada amanhã, 20/03/2019, no horário de 12:02 ET (equivalente ao horário de 13h02).

Implicações diversas

As implicações desse contrato são gigantescas (pra dizer o mínimo), mas as atenções se voltam para os planos da Marvel Studios para o conjunto de personagens do Quarteto Fantástico e do universo mutante. E, agora que o acordo está finalizado, é aguardar pela palavra oficial de Kevin Feige e começar a ter clareza do que a Marvel tem planejado quanto a isso; apesar disso, é pouco provável que descubramos tudo imediatamente.

Talvez tenhamos detalhes compartilhados quando o estúdio estiver pronto para mostrar seus planos de Fase 4, mas Bob Iger, presidente e CEO da Disney, já confirmou que a ideia é a de continuar lançando filmes sob os banners tanto da Fox (o estúdio maior) e da Fox Searchlight (o irmão mais novo).

Independentemente disso, o mundo nerd está em festa. O retorno dos direitos dos mutantes e do Quarteto Fantástico à Marvel é a realização do sonho de muitos de nós — inclusive do verdadeiro idealizador do sucesso dos filmes recentes de super-herói, Kevin Feige.

Fique atento ao Mestre da HQ para mais detalhes em breve!

Fonte: CBM

Crítica | Uma Aventura Lego 2 que acerta mesmo exagerando

Com a intenção certa, muitas vezes com poucos recursos visuais e táteis é possível incentivar a inventividade — sobretudo nas crianças. Já que um dia as mesmas se desenvolverão, é importante que tal estímulo venha desde bastante cedo. E a verdade é que os brinquedinhos Lego, cujos tijolos se encaixam em outros, exercem papel protagonista na vida de muitas crianças. E um filme que usa Lego como ferramenta sempre terá compromissos no mínimo semelhantes.

A nova animação da Warner, dirigida por Mike Mitchell (de Shrek Para Sempre, de 2010, e Trolls, de 2016) e produzida pela dupla dinâmica Phil Lord e Chris Miller (a mesma que dirigiu Tá Chovendo Hambúrguer, de 2009), impressiona pela densidade de material referenciado. Mas também impressiona a falta de habilidade, no entanto, dos cineastas envolvidos em procurar dar a Uma Aventura Lego 2 a mesma capacidade de ser efetivo no humor que o brinquedo no qual se baseia a animação entrega há tanto tempo.

Nomes enormes

O título conta com diversos grandes nomes envolvidos. Chris Pratt (o Peter Quill de Guardiões da Galáxia) é novamente o protagonista Emmet, enquanto Elizabeth Banks (a Trinket de Jogos Vorazes) fez Lucy, Will Arnett (o Gob de Arrested Development) é o Batman e Channing Tatum (Ela Dança, Eu Danço) é o Superman, entre inúmeras outras estrelas (como Gal Gadot e Margot Robbie reprisando seus papéis de Mulher-Maravilha e Arlequina, respectivamente). A interpretação em quase todos os casos é insana, de modo que é absolutamente possível enxergar os personagens claramente quando eles existem (caso dos personagens da DC, mesmo numa comédia infantil), e verificar a identidade/originalidade quando são criados para o filme (como Emmet, Lucy e a rainha de nome divertido que é quem quer ser).

A evolução a partir do primeiro filme, em termos gerais, é boa. A história é interessante e tem momentos de ápice claríssimos, tanto em referências a filmes e notáveis da cultura pop quanto em intenções de reviravolta mais próximas do final. Apesar da inocência de certas cenas, o roteiro sabe encaixar momentos de oportunidade imersiva e de paródia muito poderosos.

E é essa mescla de desbaratamento com piração que dão a tônica do filme. E realmente não há nada perdido; é um filme que se aproveita muito bem sem se levar a sério em momento algum. E quando enxerga uma oportunidade de rir, faz rir sem medo — e talvez apenas aqui caiba uma crítica. O nível de humor entregue pelo filme é asfixiante, a ponto de quase tudo ser feito — sobretudo na versão dublada — com quase intensidade demais. O filme apela para o riso, e é sempre bom dar risadas desde que sejam honestas. E o filme mergulha fundo demais no quesito.

Fica para o público decidir se gosta e se deseja dessa forma, porque falta da trilha sonora original praticamente anulada ele não sentirá.

Promessa cumprida com exageros

A verdade é que Lego 2 é um filme muito bem-intencionado e muito honesto, e por isso já merece ser visto por todos nós. A qualidade gráfica entregue continua sensacional (a Animal Logic continua fazendo um trabalho espetacular após ser premiada por Lego 1 e Happy Feet: O Pinguim), o clima de liberdade é soberbo e a interpretação é — como sempre — um alicerce muito confiável e duradouro para qualquer filme. O filme absolutamente cumpre tudo aquilo que promete.

O que é discutível é o quanto a imersão no tipo de humor tão específico do filme, essa a irreverência transtornada e beirando a desorientação, ajuda ou atrapalha a entender e efetivamente manter o espectador dentro da trama. Mas ainda assim, com essa raríssima exceção, o longa merece todo tipo de elogios. É ver para crer a força com que a Warner consegue dar cabo de um filme assustadoramente independente do resto que costuma lançar, no sentido literal, em praticamente todos os sentidos. E ainda assim, fazer o fã reconhecer vínculos.

E exageros à parte, atrelados totalmente ao gosto de quem vê, consegue mesmo.

Vingadores | Diretores falam sobre a duração do filme

Se tem algo que não falta é o mistério na finalização da produção de Vingadores: Ultimato. Ainda assim, uma das maiores questões que chegarão à data da Première do esperado filme, em 26/04, é o tempo que os Irmãos Russo levarão para contar sua história. Enquanto falava com a dupla de diretores da Disney sobre os efeitos especiais de Guerra Infinita, Steve Weintraub da Collider obteve uma atualização sobre a duração do longa. E ela, até agora, parece ser a mais extensa da história de onze anos do Universo Cinemático da Marvel.

Joe Russo disse:

“Ainda estamos na marca de três horas.”

Frisando que ainda há trabalho a fazer na ilha de edição, os diretores apontaram que a Disney está definitivamente de acordo com um épico de três horas se a qualidade estiver lá:

“Eu acho que o estúdio está de acordo com o que for a melhor história. Nesse instante, achamos que o filme está dando resultado e tivemos ótimas respostas de nossas prévias e estamos nos sentindo muito bem quanto à onde ele se encontra. Ainda estamos trabalhando nele. Ainda não terminamos. Mais uma vez: é a culminação de 22 filmes, tem muita narrativa a ser trabalhada dentro dele. Emoção, para nós, é uma parte intrínseca disso. Quando você tem que contar uma história realmente complicada e você quer momentos sentimentais com os personagens, isso requer uma certa quantidade de duração. Essa questão, em particular, pede três horas merecidas de duração.”

Intervalo

Anthony Russo falou ainda sobre a possibilidade de ser inserido um intervalo na pós-produção (similar ao que foi feito em Os Oito Odiados, de Quentin Tarantino, em alguns lugares).

“Nós fizemos quatro prévias do filme até agora. Nas três primeiras, ninguém se levantou sequer para ir ao banheiro.”

Veja mais sobre Vingadores: Ultimato em nossa página.

 

Fonte: Collider

Star Wars | Anthony Daniels termina filmagens como C-3PO

O ator Anthony Daniels revelou que encerrou as filmagens de suas cenas como C-3PO no novo filme de Star Wars: Episódio IX. Daniels tem sido parte da franquia desde o início e possui a nobre distinção de ser a única pessoa a aparecer em todas as iterações da série. Em adição às dez aparições como C-3PO (incluindo aí um cameo em Rogue One), Daniels também interpretou Wookiee Tak no Spin-off Solo. O tamanho dos papéis tem oscilado, mas o ator tem sido presença constante no set.

O diretor JJ Abrams começou a filmar o Episódio IX em agosto de 2018, e relatos indicam que ele deve terminar o processo por volta de fevereiro. Se por um lado não há palavra oficial sobre o término das filmagens, parece que as coisas já estão chegando na reta final.

Ontem, Daniels foi ao Twitter anunciar que aquele era seu último dia no episódio IX. Compreensivelmente, o ator se sentia emocionado sobre o momento, mas expressou gratidão pelo trabalho duro da produção e excitação pelo que está por vir.

“Hoje foi o fim (nos trabalhos) de 3PO no episódio IX. Ele está triste – e eu também. Mas estamos tão orgulhosos de termos trabalhado com um elenco e produção tão talentosa e amável, liderada por JJ (Abrams, diretor) e Kathy (Kennedy, presidente da Lucasfilm) … Vou sentir falta de todo mundo, mas estou contente por estarmos fazendo algo excepcional juntos, para compartilharmos com o mundo que aguarda.”

 

O aguardado filme Star Wars: Episódio IX chega aos cinemas em 20 de dezembro.

Fonte: Screenrant

Aquaman | Resultado faz Warner focar menos em universo compartilhado

O executivo do grupo Warner Bros. Pictures, Toby Emmerich, recentemente deu uma entrevista falando sobre o futuro dos filmes da DC.

Em matéria publicada originalmente no The Hollywood Reporter, Emmerich afirmou que os filmes perderão o foco sobre o universo da DC nos cinemas . Para ele, Aquaman virou a página:

“Sentimos que viramos uma página. Estamos jogando pelas regras da DC, que são muito diferentes daquelas da Marvel. Estamos bem menos focados em um universo compartilhado. Fazemos um filme de cada vez. Cada filme é a sua própria equação e entidade criativa. Se dá para dizer uma coisa sobre nós, é que (o foco) deve ser sempre sobre os diretores”

Emmerich também falou sobre a visão sobre a qualidade dos filmes, sobre o que funciona, e sobre a importância da bilheteria sobre as decisões do estúdio:

“Eu acho que os filmes bons funcionam melhor. Alguém uma vez disse que a melhor estratégia de negócios no ramo cinematográfico é a qualidade. E eu acho que em um mundo com Rotten Tomatoes e redes sociais, o que tem se provado o melhor filme – particularmente no gênero de super-heróis – é o que tem uma performance melhor. Não tem como esconder isso”

Maior sucesso da DC desde os filmes do chamado “Nolanverse” (com os sucessos O Cavaleiro das Trevas e O Cavaleiro das Trevas Ressurge), Aquaman recentemente fez um bilhão de dólares em bilheteria.

A impressionante marca é também a segunda maior do seu diretor, James Wan, atrás apenas de Velozes e Furiosos 7. O sucesso da Universal chegou a um bilhão e meio.

Fonte: THR

Aquaman | Filme chega a 1 bilhão de bilheteria

Se o que faltava a Aquaman era a marca bilionária, é possível dizer a todos os fãs da DC no cinema: podem comemorar!

O longa dirigido por James Wan, colocado por críticos como a virada da DC, acabou de alcançar a marca de um bilhão de dólares em bilheteria (1,02 bi, precisamente). E para completar, o filme já superou também O Cavaleiro das Trevas, de Christopher Nolan.

A próxima marca a ser superada, se é que isto será possível, é a da sequência do filme supracitado, O Cavaleiro das Trevas Ressurge (1,08 bi). Outros sucessos bilionários incluem no gênero de super-heróis, sem considerar o ajuste da inflação: Pantera Negra, Capitão América: Guerra Civil, e todos os filmes da série Os Vingadores (o último, Guerra Infinita, superou 2 bilhões).

Amigos Para Sempre, o remake do francês Intocáveis dirigido por Neil Burger, fez 19,5 milhões no primeiro fim de semana americano; Homem-Aranha: No Aranhaverso tem quase 150 milhões globalmente.

 

Filme está em exibição

Aquaman tem Jason Momoa no papel de protagonista, Patrick Wilson como Orm, Nicole Kidman é a Rainha Atlanna e Willem Dafoe é o braço direito do rei, Vulko. Amber Heard é a Princesa Mera e par romântico do Rei dos Mares.

James Wan, o mesmo de Velozes e Furiosos 7 e Invocação do Mal, é o diretor.

Aquaman está nos cinemas brasileiros.

Fonte: Box Office Mojo

Homem-Aranha | ‘No Aranhaverso’ leva Globo de Ouro

Ontem, tivemos a premiação da 76ª edição do Globo de Ouro. Nela, o filme Homem-Aranha: No Aranhaverso, que estreia no Brasil essa semana, levou o prêmio de melhor animação. Além do longa do Cabeça de Teia, concorriam à honraria Os Incríveis 2, Ilha dos Cachorros, Mirai e WiFi Ralph: Quebrando a Internet.

O longa animado é o primeiro do tipo com a franquia do Homem-Aranha, e se encontra imerso do Aranhaverso – uma espécie de multiverso compartilhado. Nela, as várias versões do Teioso (como a Mulher-Aranha e o Homem-Aranha Noir) se reúnem para enfrentar o Rei do Crime.

Demais destaques

Resultado de imagem para a staR IS BORN 2018Os demais destaques para a premiação ficaram por conta de Kelleth Cuthbert, bela modelo que a internet viralizou como a “garota da água”, que aparecia o tempo inteiro no tapete vermelho da premiação ao fundo dos artistas carregando água para quem precisasse.

Na premiação em si, os donos da noite no que tange ao cinema foram Green Book: O Guia (que ganhou Melhor Filme Musical ou Comédia, Melhor Roteiro em Cinema e Melhor Ator Coadjuvante para Mahershala Ali) e Bohemian Rhapsody (Melhor Filme de Drama, Melhor Ator em Filme de Drama para Rami Malek) e Roma (Melhor Filme Estrangeiro e Melhor Diretor para Alfonso Cuarón). Lady Gaga também roubou a cena ao se emocionar profundamente no recebimento do seu prêmio de Melhor Canção Original para “Shallow”, música tema no remake de Nasce uma Estrela.

Já na TV, os destaques ficaram com The Assassination of Gianni Versace: American Crime Story (Melhor Minissérie ou Filme para a Televisão, e Melhor Ator de Minissérie ou Filme para a Televisão), e The Kominsky Method (Melhor Série Musical ou Comédia, além de Melhor Ator de Série Musical ou Comédia para Michael Douglas), ambas com duas confirmações.

Premiação é tida como uma prévia do Oscar

A HFPA (Associação de Imprensa Estrangeira de Hollywood) sediou ontem, por fim, a cerimônia do Globo de Ouro. Entregando prêmios para o mundo do cinema desde 1944 (e pra TV desde 1956), a 76ª edição foi transmitida ontem à noite pelo canal TNT, aqui no Brasil.

 

 

Marvel Studios | Em entrevista, Kevin Feige fala de conquistas

Kevin Feige é um nome conhecido entre muitos de nós, fãs de cinema e cultura nerd. Em Hollywood, ele é uma das figuras centrais, se não for a figura central. Como presidente da Marvel Studios e produtor de muitos Blockbusters de super-heróis que surgem da versão cinematográfica da Casa das Ideias, ele é possuidor de um modelo de negócio que outros estúdios apenas tentam replicar com o mesmo sucesso.

O produtor de bilhões de dólares da Marvel participou de um episódio de um programa de Podcasts da Variety com a iHeartRadio, o Playback, em sua centésima edição. Os tópicos abordados passam pelos dez anos do estúdio de estrondoso sucesso que já nos trouxe Homem de Ferro, Vingadores, Pantera Negra e vários outros ícones da cultura pop atual.

“É quase inacreditável”

Perguntado quanto à trajetória deslumbrante, ele respondeu:

“É surreal. Por um lado, foi incrivelmente satisfatório. Por outro lado, é quase inacreditável de onde começamos. Houve dias em que eu não estava certo de que conseguiríamos ter Homem de Ferro nos cinemas. Houve outros em que pensei que Vingadores (lançado em 2012) era um sonho inalcançável. E ainda houve alguns após Vingadores em que pensei, ‘Bem, para onde vamos?'”

Refletindo sobre as direções tomadas nos variados filmes e gêneros no Universo Cinemático da Marvel (o chamado MCU), Feige falou sobre as experiências e os detalhes dos primeiros passos que levaram a tal sucesso:

“Acho que em um milhão de anos ninguém ativamente planejaria construir um estúdio da forma como a Marvel Studios foi construída, mas olhando em retrospectiva, foi notavelmente efetivo. Nós fomos trabalhar em quase todos os estúdios com exceção da Warner Bros. e da Disney, então fomos ver o funcionamento interno nos níveis mais altos e aprendemos incríveis lições do interior, modos que pensamos ser bons exemplos de como fazer um filme, e modos que talvez não eram tão bons. Então quando nós terminamos tomando vantagem da quebra dos mercados antes de 2008 e obtivemos o financiamento da Merrill Lynch (banco de investimento americano) — no qual Avi Arad e David Maisel reuniram e conseguiram meio bilhão de dólares para dez personagens — eu fiquei muito excitado, porque naquele ponto eu estava muito, muito pronto para ter a autoridade criativa.”

Resultado de imagem para Black Panther

Pantera Negra é um filme que, além de ser um sucesso de bilheteria estrondoso (1,347 bi, a segunda maior do ano no mundo inteiro) é também elogiado pela crítica e alvo de indicações para prêmios (3 para o Globo de Ouro, 2 para o Screen Actors Guild e 20 para o Critics Choice Awards). O produtor também falou sobre a forma como o filme atingiu apreço popular, refletindo as ações e qualidades do diretor, Ryan Coogler (Creed, Fruitvale Station: A Última Parada):

“Com o que Ryan estava fazendo, o que ele teve de dizer, e falando pelos membros da Staff com os quais ainda não tínhamos trabalhado antes, mas nos quais ele acreditava — ele chegou e nos surpreendeu nas considerações iniciais para conseguir o trabalho. Eles terem se apresentado e arrebentado a boca do balão da forma como fizeram é incrível. Tudo se resume a um cineasta que tem uma mão tão habilidosa em poder balancear algo que terá valor de entretenimento ao ser verdadeiro com a sua alma e com as questões que teve enquanto crescia.”

Possibilidades no gênero

O filme também permitiu para a Marvel a expansão dos subgêneros dentro da estética super-heróica. Para Feige, esses personagens dão meios de produzir um espectro inteiro de narrativas de filmes:

“A noção de um filme do tipo James Bond com um herói agradável, essa foi uma das primeiras inspirações que Nate Moore (executivo da Marvel) discutiu com Ryan. Eu não acho que a maior parte das pessoas vejam aquele filme e pensem no James Bond, mas você pode ver de onde parte daquela inspiração veio. Fazê-lo com um herói africano num país que nunca foi colonizado é somente mais excitante e faz disso mais único e especial.”

O próximo grande boom prometido à Marvel parece ser o retorno das propriedades que eram da Fox, como X-Men e o Quarteto Fantástico. Trabalhar com esses itens permitirá Kevin Feige voltar ao ponto de partida. Ele começou na companhia de Lauren Shuler Donner com o hit dos cinemas, em 2000, que provavelmente iniciou o movimento moderno de cinema de super-heróis: X-Men. Ele ainda não obteve o sinal verde tão esperado pelos fãs do seu trabalho, para utilizar à vontade os universos afastados por anos das mãos da Marvel. Porém, ele espera começar com isso muito em breve:

“Foi dito a nós que parece muito, muito bom, e poderia acontecer nos primeiros seis meses do próximo ano. A noção de personagens retornando é ótima. É legal quando uma companhia que criou todos esses personagens pode ter acesso a todos eles. É estranho não ter. Mas, em termos de realmente pensar nisso e planejar as coisas de verdade, ainda não começamos com isso ainda.”

É provável que falemos por todos ao dizer que aguardamos ansiosamente pelo retorno desses assets à Marvel. A qualidade de trabalho de Kevin Feige é enorme e fala por si só.

Fonte: Variety