ESQUADRÃO SUICIDA 2 | Diretor desconfirma Reboot

O diretor de Guardiões da Galáxia, James Gunn, foi o escolhido da Warner para dirigir um novo filme da franquia Esquadrão Suicida. Nesse filme, o objetivo seria simplesmente colocá-la na direção certa. Dessa forma, se tiraria do longa os estigmas causados por problemas na produção dos filmes anteriores da DC Films. No entanto, ainda não ficou totalmente claro para o público se ele virá com uma intenção de Reboot (como inicialmente divulgado) ou de sequência ao primeiro filme. E Gunn, que provavelmente já sabe a resposta do questionamento, não pôs fim ao mesmo.

Durante uma entrevista para divulgação do filme Brightburn – Filho das Trevas, o diretor foi perguntado sobre qual a intenção do filme. Mesmo com a reporter querendo apenas saber se seria uma sequência ou não, a resposta foi evasiva:

“Estes termos são tão limitados… Há tantos termos… O filme é o que ele é. Vocês verão em dois anos.”

Remanescentes e novidades completam o elenco

O mais estranho é notar que não só temos tido notícias recentes de que o filme será um Reboot, como também que teremos o retorno de atores nos mesmos papéis que a iteração anterior. Assim, Margot Robbie retorna como Arlequina, Joel Kinnaman como Rick Flagg, Viola Davis como Amanda Waller e Jai Courtney como Capitão Bumerangue. Porém, a produção também está sendo marcada por elencar novos personagens em atores reconhecidos. Idris Elba, John Cena, David Dastmalchian e Daniela Melchior farão personagens da mitologia da DC — alguns já confirmados, outros não.

Há a interpretação de que, em princípio, a ideia fosse a de se refazer a franquia. E contribuiria para isso o fato de que a decepção de crítica se resume a um único filme. Porém, já que nem mesmo tais respostas simples tem sido divulgadas ao público, a expectativa por mais detalhes se mantém.

Esquadrão Suicida 2 é nome não-oficial e por enquanto provisório para o filme da DC. Nele, criminosos que se envolvem numa missão para o governo em troca de redução de pena.

O longa deve chegar aos cinemas em 2021.

JOGOS MORTAIS | Wan e Chris Rock em novo filme; Reboot considerado

A consagrada franquia de terror Jogos Mortais teve uma nova iteração confirmada. E o que é surpreendente é que há fontes que garantem um possível Reboot. James Wan, o responsável pelo início da franquia anterior (tendo dirigido e produzido filmes da série), continua e seu notável e recorrente contribuidor, Leigh Whanell, também participará do projeto.

A nova iniciativa trará ainda ninguém mais, ninguém menos que Chris Rock. O reconhecido comediante, que participou de petardos como Em Má Companhia e Bee Movie: A História de uma Abelha, trará a história do longa. E pelo visto, rapidamente já conseguiu convencer Mark Burg e Oren Koules, produtores de longa data da série de filmes.

Está longe de ser a primeira vez em que vemos um profissional de comédia tomar parte de filmes de horror/terror. Porém, a presença do criador de Todo Mundo Odeia o Chris é no mínimo intrigante e desperta curiosidade.

O novo filme chega em 2020.

Resultado de imagem para Chris Rock Saw

Fonte: Collider

Stranger Things | Liberado trailer da terceira temporada

A Netflix publicou o primeiro trailer para a nova e terceira temporada de Stranger Things. Embora pareça inicialmente que os residentes de Hawkins, em Indiana, estejam tendo um verão absolutamente normal, rapidamente fica claro que nem tudo é o que parece.

O vídeo tem trilha sonora de altíssima qualidade, com The Who (“Baba O’Riley”) e Mötley Crüe (“Home Sweet Home”).

Vale a pena conferir abaixo!

Stranger Things 3 | Trailer Oficial

Depois desse verão, Hawkins nunca mais será a mesma.#StrangerThings3

Posted by Stranger Things on Wednesday, March 20, 2019

 

A série chega exclusivamente à Netflix em 4 de julho.

 

Disney-Fox | Leia na íntegra o comunicado oficial de imprensa

Seguindo o fim do processo de adesão da Fox ao patrimônio da Disney, foi publicado ontem um comunicado de imprensa oficial, no próprio site da Walt Disney Company.

O Press Release citado se destinou a divulgar em mais detalhes o acontecimento Disney-Fox, de interesse mundial e público, dando boa dimensão do tamanho do conglomerado que se forma e aumentando ainda mais a expectativa principalmente de todos nós, fãs de cultura nerd e interessados nos veículos Marvel outrora que há tantos anos são propriedades da Fox (como os X-Men e o Quarteto Fantástico, além de Deadpool).

A compra foi exercida pelo valor de 71 bilhões de dólares. Esse valor é, para que se tenha uma vaga noção do absurdo, mais do que o Lucro Antes de Juros e Imposto de Renda (LAJIR) que uma gigante como a Apple, por exemplo, teve em todo o ano de 2018 — de cerca de 70,9 bilhões de dólares.

Segue a declaração oficial, traduzida livremente:

[Às 13h02 do horário de Brasília] do dia 20 de março de 2019, a aquisição por parte da Walt Disney Company da 21st Century Fox se tornará efetiva. Com a icônica coleção de negócios e franquias da Fox, a Disney poderá prover um conteúdo mais atraente de alta qualidade e opções de entretenimento que vão ao encontro da demanda do consumidor; aumenta sua presença internacional; e além disso, expande suas ofertas diretas para o cliente final, que incluem a ESPN+ para fãs de esporte, o serviço altamente esperado de streaming de vídeo sob demanda Disney+, que chega [nos EUA] no fim de 2019; e também a participação social combinada de Disney e Fox no serviço Hulu.

Diz Robert A. [Bob] Iger, presidente e CEO da Walt Disney Company:

‘Este é um momento extraordinário e histórico para nós — um momento que que criará valor significativo de longo prazo para a nossa companhia e acionistas. Combinar o patrimônio de conteúdo criativo e talento comprovado da Disney e da Fox cria a companhia líder global de entretenimento, bem posicionada para liderar em uma era incrivelmente dinâmica e transformadora.’

A aquisição inclui os negócios de produção cinematográfica renomados da Fox, incluindo a Twentieth Century Fox, Fox Searchlight Pictures, Fox 2000 Pictures, Fox Family e a Fox Animation; as unidades criativas para televisão da Fox, Twentieth Century Fox Television, FX Productions e Fox21; Redes FX; Parceiros da National Geographic; Fox Networks Group Internacional; Star India; e também os interesses da Fox no Hulu, Tata Sky e no Endemol Shine Group. A Disney e a 21st Century Fox entraram num acordo com o Departamento de Justiça dos Estados Unidos no ano passado, sob o qual a Disney alienará as redes regionais esportivas da 21st Century Fox.

Mais cedo [ontem], a 21st Century Fox completou o desdobramento de um portfólio dos negócios de notícias, esportes e transmissões — incluindo o canal FOX News, FOX Business Network, FOX Broadcasting Company, FOX Sports, FOX Television Stations Group, e a rede de canais esportivos FS1, FS2, a Fox Deportes e a Big Ten Network — e certos outros recursos e passivos, para dentro da Fox Corporation.

Agora é respirar fundo e aguardar ansiosamente por mais notícias vindas da equipe de Kevin Feige e seus associados. Essa compra promete!

Fique ligado em O Mestre da HQ para mais detalhes!

Fonte: Walt Disney Company

Disney-Fox | Fusão entre as gigantes é finalmente anunciada

Embora tenha sido inicialmente divulgado que o acordo entre a Disney e a Fox estaria resolvido no fim de 2018, recentemente descobrimos que tudo estaria finalizado em meados de março. E agora, finalmente a 21st Century Fox anunciou a distribuição de todas as ações emitidas e em circulação, em conexão com a aquisição por parte da Disney.

A aquisição da Disney será efetivada amanhã, 20/03/2019, no horário de 12:02 ET (equivalente ao horário de 13h02).

Implicações diversas

As implicações desse contrato são gigantescas (pra dizer o mínimo), mas as atenções se voltam para os planos da Marvel Studios para o conjunto de personagens do Quarteto Fantástico e do universo mutante. E, agora que o acordo está finalizado, é aguardar pela palavra oficial de Kevin Feige e começar a ter clareza do que a Marvel tem planejado quanto a isso; apesar disso, é pouco provável que descubramos tudo imediatamente.

Talvez tenhamos detalhes compartilhados quando o estúdio estiver pronto para mostrar seus planos de Fase 4, mas Bob Iger, presidente e CEO da Disney, já confirmou que a ideia é a de continuar lançando filmes sob os banners tanto da Fox (o estúdio maior) e da Fox Searchlight (o irmão mais novo).

Independentemente disso, o mundo nerd está em festa. O retorno dos direitos dos mutantes e do Quarteto Fantástico à Marvel é a realização do sonho de muitos de nós — inclusive do verdadeiro idealizador do sucesso dos filmes recentes de super-herói, Kevin Feige.

Fique atento ao Mestre da HQ para mais detalhes em breve!

Fonte: CBM

Crítica | Uma Aventura Lego 2 que acerta mesmo exagerando

Com a intenção certa, muitas vezes com poucos recursos visuais e táteis é possível incentivar a inventividade — sobretudo nas crianças. Já que um dia as mesmas se desenvolverão, é importante que tal estímulo venha desde bastante cedo. E a verdade é que os brinquedinhos Lego, cujos tijolos se encaixam em outros, exercem papel protagonista na vida de muitas crianças. E um filme que usa Lego como ferramenta sempre terá compromissos no mínimo semelhantes.

A nova animação da Warner, dirigida por Mike Mitchell (de Shrek Para Sempre, de 2010, e Trolls, de 2016) e produzida pela dupla dinâmica Phil Lord e Chris Miller (a mesma que dirigiu Tá Chovendo Hambúrguer, de 2009), impressiona pela densidade de material referenciado. Mas também impressiona a falta de habilidade, no entanto, dos cineastas envolvidos em procurar dar a Uma Aventura Lego 2 a mesma capacidade de ser efetivo no humor que o brinquedo no qual se baseia a animação entrega há tanto tempo.

Nomes enormes

O título conta com diversos grandes nomes envolvidos. Chris Pratt (o Peter Quill de Guardiões da Galáxia) é novamente o protagonista Emmet, enquanto Elizabeth Banks (a Trinket de Jogos Vorazes) fez Lucy, Will Arnett (o Gob de Arrested Development) é o Batman e Channing Tatum (Ela Dança, Eu Danço) é o Superman, entre inúmeras outras estrelas (como Gal Gadot e Margot Robbie reprisando seus papéis de Mulher-Maravilha e Arlequina, respectivamente). A interpretação em quase todos os casos é insana, de modo que é absolutamente possível enxergar os personagens claramente quando eles existem (caso dos personagens da DC, mesmo numa comédia infantil), e verificar a identidade/originalidade quando são criados para o filme (como Emmet, Lucy e a rainha de nome divertido que é quem quer ser).

A evolução a partir do primeiro filme, em termos gerais, é boa. A história é interessante e tem momentos de ápice claríssimos, tanto em referências a filmes e notáveis da cultura pop quanto em intenções de reviravolta mais próximas do final. Apesar da inocência de certas cenas, o roteiro sabe encaixar momentos de oportunidade imersiva e de paródia muito poderosos.

E é essa mescla de desbaratamento com piração que dão a tônica do filme. E realmente não há nada perdido; é um filme que se aproveita muito bem sem se levar a sério em momento algum. E quando enxerga uma oportunidade de rir, faz rir sem medo — e talvez apenas aqui caiba uma crítica. O nível de humor entregue pelo filme é asfixiante, a ponto de quase tudo ser feito — sobretudo na versão dublada — com quase intensidade demais. O filme apela para o riso, e é sempre bom dar risadas desde que sejam honestas. E o filme mergulha fundo demais no quesito.

Fica para o público decidir se gosta e se deseja dessa forma, porque falta da trilha sonora original praticamente anulada ele não sentirá.

Promessa cumprida com exageros

A verdade é que Lego 2 é um filme muito bem-intencionado e muito honesto, e por isso já merece ser visto por todos nós. A qualidade gráfica entregue continua sensacional (a Animal Logic continua fazendo um trabalho espetacular após ser premiada por Lego 1 e Happy Feet: O Pinguim), o clima de liberdade é soberbo e a interpretação é — como sempre — um alicerce muito confiável e duradouro para qualquer filme. O filme absolutamente cumpre tudo aquilo que promete.

O que é discutível é o quanto a imersão no tipo de humor tão específico do filme, essa a irreverência transtornada e beirando a desorientação, ajuda ou atrapalha a entender e efetivamente manter o espectador dentro da trama. Mas ainda assim, com essa raríssima exceção, o longa merece todo tipo de elogios. É ver para crer a força com que a Warner consegue dar cabo de um filme assustadoramente independente do resto que costuma lançar, no sentido literal, em praticamente todos os sentidos. E ainda assim, fazer o fã reconhecer vínculos.

E exageros à parte, atrelados totalmente ao gosto de quem vê, consegue mesmo.

Vingadores | Diretores falam sobre a duração do filme

Se tem algo que não falta é o mistério na finalização da produção de Vingadores: Ultimato. Ainda assim, uma das maiores questões que chegarão à data da Première do esperado filme, em 26/04, é o tempo que os Irmãos Russo levarão para contar sua história. Enquanto falava com a dupla de diretores da Disney sobre os efeitos especiais de Guerra Infinita, Steve Weintraub da Collider obteve uma atualização sobre a duração do longa. E ela, até agora, parece ser a mais extensa da história de onze anos do Universo Cinemático da Marvel.

Joe Russo disse:

“Ainda estamos na marca de três horas.”

Frisando que ainda há trabalho a fazer na ilha de edição, os diretores apontaram que a Disney está definitivamente de acordo com um épico de três horas se a qualidade estiver lá:

“Eu acho que o estúdio está de acordo com o que for a melhor história. Nesse instante, achamos que o filme está dando resultado e tivemos ótimas respostas de nossas prévias e estamos nos sentindo muito bem quanto à onde ele se encontra. Ainda estamos trabalhando nele. Ainda não terminamos. Mais uma vez: é a culminação de 22 filmes, tem muita narrativa a ser trabalhada dentro dele. Emoção, para nós, é uma parte intrínseca disso. Quando você tem que contar uma história realmente complicada e você quer momentos sentimentais com os personagens, isso requer uma certa quantidade de duração. Essa questão, em particular, pede três horas merecidas de duração.”

Intervalo

Anthony Russo falou ainda sobre a possibilidade de ser inserido um intervalo na pós-produção (similar ao que foi feito em Os Oito Odiados, de Quentin Tarantino, em alguns lugares).

“Nós fizemos quatro prévias do filme até agora. Nas três primeiras, ninguém se levantou sequer para ir ao banheiro.”

Veja mais sobre Vingadores: Ultimato em nossa página.

 

Fonte: Collider