[CRÍTICA] Sintonia | “Defina seu caminho, independente de onde você veio”

A estréia de Kondzilla fora da sua "zona de conforto" em uma nova abordagem sobre a vida dos jovens da favela, recheada por uma trilha sonora fantástica numa produção original da Netflix

Share on facebook
Compartilhe no Facebook
Share on twitter
Tuitar isso
Share on whatsapp
Enviar no Whatsapp

Como apresentar uma trama que retrate o cotidiano das favelas de uma forma totalmente nova? Como fugir de estereótipos criados pelo cinema e telenovelas brasileiras sobre a vida, conflitos e relacionamentos dentro de uma favela? Esse foi o desafio assumido por Sintonia, a nova produção nacional da Netflix. A mesma surge de uma parceria entre o serviço de streaming e uma ideia original de KondZilla. O mesmo é um dos expoentes e talentos inquestionáveis não só do audiovisual brasileiro, mas de todo o mundo.

Nando (Christian Malheiros), Doni (João Pedro Carvalho) e Rita (Bruna Mascarenhas) . Sintonia, Netflix 2019.
Nando (Christian Malheiros), Doni (João Pedro Carvalho) e Rita (Bruna Mascarenhas) . Sintonia, Netflix 2019.

LEIA TAMBÉM: [Crítica] Era Uma Vez Em Hollywood

A trama

Desde o primeiro episódio a série situa o espectador no núcleo estabelecido em sua temática: Funk, Tráfico e Religião. Tal núcleo é bastante presente nas favelas de todo o país, entretanto, abordada de forma rasa em muitas outras produções.

Temos também o núcleo de protagonistas Nando (Christian Malheiros), Doni (João Pedro Carvalho) e Rita (Bruna Mascarenhas). Na trama os mesmos são três jovens que cresceram juntos e divididos entre seus sonhos, conflitos internos e dificuldades.

“Baseado em fatos reais, porém em nenhum em específico. Muita gente que vem e vive na quebrada vai se identificar”

Um acerto da série é o aprofundamento do espectador na realidade dos protagonistas. A mesma enaltece a importância do Funk e da religião nas favelas e retrata de forma bem realista a vivência e a ascensão de um jovem no mundo do crime. Destaque para cenas onde Nando (Christian Malheiros) rouba a cena e incorpora bastante o personagem. Outro destaque sem dúvidas vem dos diálogos realistas entre os traficantes (inclusive em chamadas para dentro de presídios), ao invés de esteriótipos clichês como os vistos na mídia quase em todos os momentos.

Cena da série de conversa do personagem Doni com seu pai
Cena da série de conversa do personagem Doni com seu pai

Erros e Acertos

Como maior ponto positivo, a trama traz uma visibilidade nunca vista para o cotidiano das favelas paulistanas. Através um olhar mais aprofundado na vida de seus moradores imediatamente desde o primeiro episódio cumpre seu papel. O ponto mais negativo também tem a ver com a profundidade dos personagens, entretanto, não interfere de forma significativa. O Funk Ostentação marca presença não só na trilha sonora, como no coração da produção. Isso reflete uma das bandeiras de um dos idealizadores da série, o talentosíssimo Kondzilla. Nesta, o Funk é levado como oportunidade de melhoria na vida de muitos que sonham em fazer sucesso nele.

“Uma trilha que envolve e se conecta com a trama. Com certeza algo que não faltaria em uma produção do Kondzilla, dessa forma, a experiência de maratonar é fantástica.”

Assinada por nomes consagrados como Laudz e Zegon (Tropkillaz), e Fábio Góes, a trilha sonora é além de outro grande acerto, algo que tem tido um feedback bastante positivo dos espectadores e bastante procurado desde o lançamento da série.

Os protagonistas em um clipe de divulgação da série
Os protagonistas em um clipe de divulgação da série

Conclusão

Apesar de muitas vezes seu maior acerto, o aprofundamento no dia-a-dia e nos conflitos de seus personagens ser também seu maior erro. A falta do mesmo em momentos cruciais diante da grandiosidade de acontecimentos traz algum incômodo, entretanto, a trama traz um balanço bastante positivo para o cenário do audiovisual nacional. Isso se deve não só pelo peso da Netflix, mas também por dar espaço a talentos como o Kondzilla e sair do núcleo comum das produtoras nacionais.

“Ansiedade para uma (possível e desejável) segunda temporada é inevitável”

Ainda não se sabe nada a respeito de uma possível segunda temporada, apesar de todo o abrir de possibilidades que o final da temporada fornece.

Acima de tudo, a série possui sim defeitos, mas independente dos pontos altos e baixos da trama, uma mensagem de superação é transmitida. Por onde quer que você vá, independente de tudo que enfrente, acredite nos seus sonhos e no seu potencial, não se esquece de suas origens e nem de todos que que estavam contigo nisso tudo.

Sintonia, a nova produção nacional da Netflix já está disponível.

 

Versão "Rise" 5.0.1 beta - Crafted with ❤ by @mattzbarbosa
© 2018. O Mestre da HQ - O seu portal de conteúdo Geek